10 RAZÕES PARA COMBATER O ABORTO

Desde a legalização do aborto nos Estados Unidos em 1973 até o ano de 2009, mais de 58 milhões de bebês foram mortos, isto é, mais do que toda a população da Espanha. São 150 bebês por hora. Cerca de 1 a cada 24 segundos.

Quando você terminar de ler este artigo, mais 4 ou 5 crianças inocentes terão sido assassinadas. E o plano de Deus para elas interrompido.

E nós? Temos o direito de permanecer indiferentes a esse imenso massacre? NÃO!

Milhares de pessoas em toda a América têm se reunido com um objetivo comum: Salvar as 2 vidas, isto é, a mãe e o filho.

Neste sentido, assistimos com alegria a recusa maciça do senado argentino ao aborto naquele país e as multitudinárias manifestações pró-vida nos Estados Unidos que estão sendo repetidas em vários países da América do Sul e Europa.

Toda essa onda pelos Valores Morais não deixou de se mostrar também em nosso amado Brasil que, no último dia 30/09 em São Paulo, foi palco de uma Marcha pela Vida que reuniu milhares de pessoas.

Você encontrará abaixo as 10 principais razões pelas quais o aborto é errado e deve ser combatido:

1 – O aborto viola os Direitos de Deus

O aborto provocado nunca será uma simples escolha pessoal, mas uma grave ofensa contra Deus, Nosso Senhor, e Sua criação. A luta contra o aborto sempre foi principalmente uma batalha religiosa e essa prática infame constitui uma grave ofensa a Deus Nosso Senhor. A indignação por esta grave violação dos Direitos de Deus deve ser o principal motivo pelo qual devemos rejeitar o aborto!

O ensinamento da Igreja sobre o aborto é claro e inequívoco: O aborto provocado é assassinato. Não há exceções permitidas, sem compromissos possíveis.

2 – Nossa guerra mais mortal

As contínuas guerras que abalaram o mundo nas últimas décadas e os contínuos atentados terroristas têm contribuído para criar em alguns um crescente anseio pela paz. No entanto, apesar de toda essa preocupação, a guerra mais horrível de todas e o pior de todos os ataques terroristas continua inabalável. Esta é uma guerra que está ocorrendo dentro de nossas fronteiras, e nos últimos 45 anos, apenas nos EUA, fez mais de 58 milhões de vítimas. Brutalmente assassinadas.

Esse flagelo é tão horrível quanto qualquer coisa que os terroristas possam imaginar, porque atinge o cerne da humanidade: a família. Ao destruir o laço humano mais básico de todos – entre mãe e filho – o aborto dissolve o precioso elo que une nossa nação.

Enquanto mãe e filho são as primeiras vítimas, não há um único elemento da sociedade que não seja afetado pelo aborto. Mãe, filho, pai, marido, tia, tio, amigo, irmão e avô sofrem as cicatrizes desse iníquo bisturi.

3 – A vida começa na concepção

Esta é a definição dada em qualquer livro médico respeitável. Defender o início da vida em qualquer momento depois da fusão do óvulo da mãe e da contribuição do pai é irracional e um sofisma chocante.

Uma pessoa humana começa a existir no momento da concepção, mesmo que apenas como uma célula. O importante não é o acidente de tamanho ou peso, mas a essência – que é totalmente humana. O feto tem um código genético distinto, imutável e irrepetível, único em toda a história, desde o momento da concepção até a morte. Nada é adicionado exceto nutrição e oxigênio.

Apenas máquinas como relógios e carros começam a existir parte por parte. Os seres vivos vêm à existência de uma só vez e desdobram seu mundo de potenciais inatos gradualmente.

4 – A humanidade deve proteger a vida inocente

O primeiro e mais importante instinto dos seres humanos é a preservação da vida. Isso começa com a autopreservação e se estende a toda a humanidade através dos laços matrimoniais e da família.

A “interrupção da gravidez” na verdade constitui o assassinato de um ser humano inocente e está em contradição direta com essa premissa básica da natureza humana. Isso viola a lei natural e pode deixar o Brasil como um país incapaz de se repovoar sem a ajuda da imigração em massa.

5 – O aborto não é seguro

Em comparação com outros procedimentos médicos, a indústria do aborto é amplamente não regulamentada. Embora não existam estatísticas exatas para o número de mulheres que morrem de procedimentos fracassados, LifeDynamics.com compilou uma lista de 249 mulheres mortas por abortos legais.¹ Além disso, o National Cancer Institute encomendou um estudo da Dra. Janet Daling, uma defensora do aborto, e seus colegas do Fred Hutchinson Cancer Research Center, que encontraram uma ligação entre aborto e câncer: “entre as mulheres que já haviam engravidado pelo menos uma vez, o risco de câncer de mama naqueles que sofreram aborto induzido foi 50% maior do que entre outras mulheres”².

O jornal oficial da Associação Médica Católica, The Linacre Quarterly, publicou um estudo com descobertas semelhantes: “Existem evidências internacionais de uma ligação entre o aborto induzido e o câncer de mama”3.

6 – Uma torre biogenética de Babel

Em uma progressão cínica, mas lógica, a cultura da morte está agora empenhada em iniciar a vida humana para destruí-la.

Sua nova fronteira é a pesquisa com células-tronco embrionárias e a clonagem humana. Em nome da ciência e da saúde, a vida humana é destruída em seu início e a clonagem “limitada” é usada para produzir células utilizáveis que podem ser manipuladas e colhidas para ajudar os vivos.

Em resumo, as barreiras éticas remanescentes que preservam a dignidade humana e os direitos de Deus na Criação estão diminuindo constantemente.

A revolução da biotecnologia tem como objetivo declarado não apenas curar doenças, mas a construção de um “admirável mundo novo” de engenharia genética, mudando a própria constituição e o próprio desenho do homem.

Não podemos permitir a conclusão deste desafio a Deus, uma nova Torre de Babel, que será como outra caixa de Pandora, desencadeando um grave problema moral e ético em nossa nação.

7 – Quebrando o ciclo do aborto

O aborto é um pecado que perpetua o mal. A mentalidade do aborto destrói a família, tornando mais difícil para os novos brasileiros que sobrevivem além do útero encontrar a família unida pelo laço indissolúvel do casamento entre um homem e uma mulher.

As crianças precisam de famílias que as cultivem, protejam sua inocência e desenvolvam suas personalidades. Em particular, todas as crianças devem encontrar dentro de seus lares a Fé que lhes permita conhecer, amar e servir a Deus neste mundo e ser felizes com Ele para sempre no próximo.

Enquanto a família tradicional continuar em crise, nunca iremos cortar as linhas de energia que abastecem as infames fábricas de abortos. Enquanto a Fé permanecer morta nas almas, nunca eliminaremos a podridão moral da imoralidade sexual, que é o solo contaminado onde o movimento abortista cresce e floresce.

8 – Legalização do aborto: Caso nos EUA – 45 anos de mentiras

O 45º aniversário da infame decisão “Roe contra Wade” da Suprema Corte Americana que legalizou o aborto-sob-demanda evoca o maior conjunto de mentiras já postas em prática – mentiras que custaram a vida de mais de 58 milhões de bebês inocentes cruelmente assassinados no ventre de suas mães.

O caso Americano não é o único e têm se repetido em todos os países que legalizaram esse horror.

Como pode este verdadeiro genocídio, numericamente comparável com o da Alemanha de Hitler ou a Rússia de Stalin, ser posto em pauta para legalização em um País que tem como símbolo o Cristo Redentor e foi fundado sob o signo da Santa Cruz?

Marcha pela Vida em Washington, maior manifestação Pró-Vida do mundo com recordes batidos a cada ano. Em 2013 compareceram 650.000 pessoas. A TFP Americana – organização co-irmã do IPCO – participa da manifestação desde a primeira edição.

9 – Projeto TAMAR e Projeto MATAR

O coração do feto começa a bater aos 24 dias e as ondas cerebrais já podem ser registradas depois de 43 dias.4 Se a lei usa esses fatores para determinar a morte, por que eles não podem ser usados para determinar a vida?

Como argumenta o eminente jurista, Dr. Ives Gandra Martins: “Decididamente, no Brasil, para alguns parlamentares, as tartarugas são muito mais importantes que os seres humanos. O denominado projeto Tamar protege a vida das tartarugas desde 1980, com equipe especializada monitorando todas as noites, de setembro a março, 1.100 praias no litoral, e de janeiro a junho, as ilhas oceânicas. Protege-se, desta forma 14.000 ninhos, algo em torno de 650.000 filhotes. Quem destruir um único ovo de tartaruga comete crime contra a fauna e poderá ir para a cadeia (Lei 9.605/93)”.

“É louvável a proteção dos ovos de tartaruga. O que, evidentemente, não é louvável é a destruição de seres humanos no ventre materno, conforme proposto pela eminente deputada Jandira Feghali, em qualquer circunstância, sob qualquer motivo -até o último minuto antes do parto- e sem qualquer punição para o médico, a mulher ou quem tenha colaborado com o aborto do nascituro”.7

“Pela Lei Tamar, destruir ovos de tartaruga é crime, pela legalização do aborto, matar seres humanos no ventre materno, não. É a desvalorização máxima do ser humano”.

10 – Um abismo atrai outros abismos

Ontem foi propagação da contracepção. Hoje é a legalização do aborto e do dito “casamento” entre pessoas do mesmo sexo. E amanhã? Será a proliferação da eutanásia generalizada de nossos doentes e idosos? Não quererão os detratores da Família a legalização do “amor livre”? Não defenderão a criação de campos extermínio para todos os considerados ideologicamente “indesejáveis”?

Sendo o aborto universalmente aceito, que argumentos lógicos impedirão a eutanásia e outras formas de assassinato, tirania e depravação?

Notas:

  1. LifeDynamics.com: “The Pro Choice Death List” accessed on June 20, 2017.  http://www.safeandlegal.com/th…
  2. Journal of the National Cancer Institute: “Risk of breast cancer among young women: relationship to induced abortion,” accessed on June 20, 2017. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/p…
  3. A. Patrick Schneider, Christine M. Zainer, Christopher Kevin Kubat, Nancy K. Mullen & Amberly K. Windisch (2014) The breast cancer epidemic: 10 facts, The Linacre Quarterly, 81:3, 244-277, DOI: http://dx.doi.org/10.1179/2050…
  4. Is a Baby Human from the Beginning?, Human Life International, https://www.hli.org/resources/…
  5. Between-Hospital Variation in Treatment and Outcomes in Extremely Preterm Infants, The New England Journal of Medicine, May 7, 2015: http://www.nejm.org/doi/full/1…
  6. Fact #13: The 8 week+ unborn baby feels real physical pain during an abortion, AbortionFacts.com: http://www.abortionfacts.com/f…
  7. O projeto Tamar – Ives Gandra Martins http://www.domluizbergonzini.com.br/2011/01/o-projeto-tamar-dr-ives-gandra-martins.html
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial