QUEM SOMOS

Ontem reacionário, hoje homofóbico.

Na década de 1980 a revolução (1) usava a palavra “reacionário” para taxar seus opositores e denigrir sua imagem, esse artifício era usado quando eram obrigados vim a publico confrontar os que se opunham ao comunismo, que na época era tida como uma verdade absoluta.

Quase três décadas depois comprovado o fracasso do regime comunista no leste europeu, China, Cuba e a malfadada experiência da Venezuela mostrou as chagas na sociedade que deixaram esse regime ateu, gnóstico e igualitário.

Hoje a cabeça de ponte da revolução não é implantação do comunismo institucionalmente

A revolução se “metamorfoseou”, mas continua sua marcha para destruir a civilização cristã, ou, oque resta dela, a bandeira levantada pelos seus agentes é a defesa das minorias, nessa agenda estão a legalização do aborto, “casamento” homossexual, oficialização da prostituição como profissão entre outras barbaridades.

Os contra-revolucionários não são mais taxados de reacionários, nem latifundiários, os que impõe uma resistência a marcha revolucionaria e seus agentes, inocentes ou não, são chamados de homofóbicos. Qualquer opinião ou manifestação a respeito desses temas, logo alguém grita:

-homofóbicos!

O Estado é laico, mas o povo é cristão

Somos Reacionários sim, queremos expressar nossa opinião e principalmente, queremos nossa fé, herdada dos bravos portugueses que aqui ergueram a primeira Cruz, respeitada. Todo esse moloque ateu visa destruir o Brasil Católico e Cristão. Por isso, somamos nossas forças e entusiamo aos que sempre bradaram pelo Brasil…

Tradição, Família e Propriedade!

(1) Damos a palavra “revolução” o sentido que o professor Plínio Corrêa de Oliveira emprega-a no seu best-seller mundial Revolução e Contra-Revolução

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial