Home / OPINIÃO / Aplicativos tentam mudar decreto que obriga regulamentação dos motoristas em São Paulo
oS APLICATIVOS AUMENTA O TRÂNSITO NAS GRANDE CIDADES

Aplicativos tentam mudar decreto que obriga regulamentação dos motoristas em São Paulo

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Na tarde de ontem (04/01) correu notícia em grupos de Whatsaap que os aplicativos  Uber, 99 e Cabify se reuniram com o prefeito João Dória para pedir flexibilização da resolução 16

Janeiro chegou e os aplicativos se negam obedecer decreto 56.981 do ex-prefeito Fernando Haddad acrescida da resolução 16 do prefeito João Dória, entre muitas alegações está a falsa afirmação que as regras colocam burocracia no processo e vai tirar motoristas do sistema.

Em entrevista ao Bom Dia São Paulo da TV Globo o secretário  de Transportes, Sergio Avelleda, afirmou que não haverá retrocesso e que foi dado tempo suficiente para os aplicativos providenciarem o cadastro do motoristas e apresentar a documentação ao Departamento de Transportes.

A verdade por trás dessas falácias dos aplicativos 99, uber e Cabify está a intenção dos aplicativos em continuar passando por cima da legislação e explorando uma mão de obra desqualificada que se submete as imposições dos aplicativos por falta de opção.

A atitude dos aplicativos seguem uma cartilha já conhecida dos taxistas, autoridades e entidades representantes da classe, a afronta as autoridades e a legislação do país. O decreto do ex-prefeito Haddad foi publicado em maio de 2016, o prazo para os aplicativos se enquadrarem foi até 2017 e eles nada fizeram, principalmente não cumpriram a regra que obriga os aplicativos a recolherem uma taxa por quilômetro rodado aos cofres públicos.

A cobrança da taxa pelo uso do viário urbano é uma caixa preta que o CMUV Conselho Municipal do Uso do Viário Urbano e a secretária de transportes nunca abriram, confirmando assim se os aplicativos estão recolhendo está taxa.

#radiotera #avozdotaxista

Em São Paulo, motorista de Uber terá que fazer curso a partir do dia 10

As novas normas para motoristas e veículos de transporte por aplicativo criadas pela Prefeitura de São Paulo vão valer a partir do dia 10, conforme informou a gestão nesta quarta-feira, 3. Motoristas têm reclamado da dificuldade para atender a todas as exigências impostas pelo município, em especial o novo curso obrigatório, que prevê 4 horas de aulas presenciais e 12 horas de aulas a distância – e já falam em uma manifestação na próxima segunda-feira, dia 8.

“O que mais está nos prejudicando é a exigência de um carro com até cinco anos de uso”, diz a motorista Dani Taiba, de 43 anos. Ela tem um Fiesta ano 2010, e ainda paga prestações. “Para mim me afeta duplamente, porque o carro está financiado no nome do meu pai, então a placa é de São Bernardo (do Campo, na Grande São Paulo)”, comenta.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Outro motorista, Daniel Drager, afirma que procurou o Centro de Formação de Condutores para fazer o curso obrigatório, mas não conseguiu. “Disseram que o curso não estava homologado”, afirma.

Redução

As duas principais empresas do setor, Uber e 99, divulgaram notas criticando as novas regras. Afirmam que as mudanças reduzirão a oferta de carros para os passageiros. “Exigir que o veículo tenha placa de SP cria um muro entre São Paulo e a Região Metropolitana”, diz a 99.

Em sua nota, a empresa afirma ainda que a medida coloca mais carros vazios nas ruas. “Com o ato normativo, cada um dos carros da 99 que encerra uma corrida em um município que não é o mesmo de sua placa não terá outra opção se não voltar vazio para sua cidade de origem”, criando mais trânsito.

Já a Uber fez uma estimativa, obtida pela reportagem, da redução de viagens – tomou como base a relação entre viagens comuns e aquelas feitas pelo serviço Select, que já oferece carros mais novos para os passageiros. “Os usuários de regiões como Parelheiros, M’Boi Mirim, Capela do Socorro, Cidade Tiradentes, Guaianases e Itaim Paulista serão privados do serviço”, diz.

Segundo a Prefeitura, as próprias empresas podem ofertar o curso aos motoristas – mas apenas uma delas foi homologado. A fiscalização, nas duas primeiras semanas, terá caráter educativo. Depois, veículos fora das normas poderão ser apreendidos. A Prefeitura lembra ainda que todo o processo é feito pelos próprios aplicativos, sem necessidade de o motorista ir até a Prefeitura. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Sobre Carlos Laia

A Voz Do Taxista é um portal de notícias criado por Carlos Laia para levar informações a classe dos taxistas, acompanhando os acontecimentos, dando opinião e ouvindo os principais personagens do incrível mundo do táxi.

2 Comentários

  1. Cadê o link da matéria original??? Ou todo esse texto é de autoria da voz do taxista?
    Por favor, quer credibilidade, seja leal de vez em quando e coloque pelo menos o link da matéria original…

DEIXE SUA OPINIÃO!