Home / UBER-Transporte Clandestino / Com a participação dos taxistas ou não, os aplicativos avançam.

Com a participação dos taxistas ou não, os aplicativos avançam.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Um aplicativo próprio é a única forma dos taxistas de competirem com os aplicativos de carros particulares.

A exemplo da cidade do Rio de Janeiro que acaba de lançar o aplicativo da cidade para os taxistas, as demais capitais e importantes cidades devem seguir o mesmo caminho, se quiserem que o táxi sobreviva.

Sem a aprovação e participação dos taxistas, os aplicativos vão avançando e conquistando os passageiros que há pouco tempo não precisava de um intermediário para chamar o táxi. O aplicativo traz comodidade para ambos, o problema é que enxergaram em pouco tempo, o que a classe não viu em quase cem anos de existência.

Outro x da questão é que os aplicativos contam com o apoio de políticos inescrupulosos e com a inércia de uma “categoria” desorganizada, fácil de manipular. Uns poucos que já foram tidos como líderes de fato, que poderiam trazer uma luz a escuridão que os taxistas estão imerso, sucumbiram diante do canto sedutor ganhos pessoais e nada fizeram.

O estudo abaixo mostra que em pouco tempo um número grande de pessoas vão deixar o carro para usar o transporte individual por aplicativos, resta saber se serão os taxis ou os carros particulares.

Depende somente dos taxistas para eles continuarem escolhendo o táxi.

#carloslai #avozdotaxista

Um estudo de três universidades americanas (University of Michigan, Texas A&M e Columbia University) em Austin, no Texas, mostrou que muitos usuários perceberam que o carro não é mais necessário por conta dos aplicativos

Diga adeus ao seu carro: você, eventualmente, não sentirá mais necessidade de usá-lo no dia-a-dia. E a razão da venda? Você vai passar a usar apenas serviços de transporte por aplicativo, como Uber e 99.

Um estudo de três universidades americanas (University of Michigan, Texas A&M e Columbia University) em Austin, no Texas, mostrou que muitos usuários perceberam que o carro não é mais necessário por conta dos aplicativos. E olha que o carro nos Estados Unidos é infinitamente mais barato e o Uber é mais caro, o que faz a troca ser ainda mais proveitosa aqui no Brasil.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Austin foi escolhida por ser a cidade que tinha Uber e Lyft desde 2014, mas proibiu o funcionamento de ambos em maio de 2016 – voltando em maio desde ano, depois de um ano. Ou seja, não tinha, tinha, não tinha e agora tem novamente. Um ambiente ideal para fazer esse tipo de pesquisa com as pessoas.

1.200 pessoas da cidade responderam a pesquisa, que basicamente perguntou o que eles fizeram depois que os aplicativos foram proibidos. 50% voltaram a usar o carro próprio depois disso, sendo que 9% das pessoas tiveram que recomprar carros. 42% das pessoas foram atrás de outros aplicativos de mobilidade, menores. Só 3% começaram a usar o transporte público da cidade.

A pesquisa mostra que o uso dos carros é fortemente limitado quando existem aplicativos de mobilidade, diminuindo a necessidade da propriedade do carro. Uma grande fração das pessoas já tinham carros, mas estavam os subutilizando. E tudo isso antes dos carros autônomos, que deverão jogar o preço para baixo dos carros e dizimar a necessidade de ter um automóvel próprio.

Uma coisa boa da ausência do carro na vida das pessoas, é que as pessoas são encorajadas a fazer menos percursos – o que colabora para diminuir a quantidade de carros na rua, menor poluição e menos trânsito nas grandes cidades. Um problema da pesquisa é que Austin tem um transporte público ruim, então essa substituição faz mais sentido por lá do que em cidades como Nova York.

As montadoras já estão se preparando para mudanças: a GM já está testando um serviço chamado Maven que permite que várias usem serviços de compartilhamento de carro em cidades grandes, como Nova York ou São Francisco. A empresa já destacou que não tem mais interesse em só vender carros e quer deixar de ser uma montadora para se tornar uma “empresa de mobilidade”.

Essas mudanças são parte do futuro, desenhado principalmente por empresas inovadoras do Vale do Silício, como o Uber e a Tesla. O Vale está desenhando o futuro do mundo

Sobre Carlos Laia

A Voz Do Taxista é um portal de notícias criado por Carlos Laia para levar informações a classe dos taxistas, acompanhando os acontecimentos, dando opinião e ouvindo os principais personagens do incrível mundo do táxi.

DEIXE SUA OPINIÃO!