Home / A Voz do Taxista / Consumidor quer preço, enquanto justiça discute vinculo de emprego entre Uber e motorista.

Consumidor quer preço, enquanto justiça discute vinculo de emprego entre Uber e motorista.

Vale a pena ter carro? Brasileiros avaliam custo de trocar carro por táxi ou Uber

Fonte: G1

De calculadora na mão, muitas famílias avaliam qual é a escolha mais barata: ter um carro ou andar de táxi ou Uber? A resposta é “depende”. Segundo especialistas ouvidos pelo G1, o transporte mais econômico muda de acordo com a distância que cada um percorre no seu dia a dia.

Antes de tudo, é preciso mensurar os custos de ter um carro, explicam os especialistas. Entram nessa conta as despesas de manutenção, impostos, seguro, estacionamento, multas eventuais e combustível. Também deve ser considerada a depreciação do próprio carro – ou seja, quanto ele se desvaloriza todo ano – e o quanto o dono do do veículo deixa de ganhar com aplicações financeiras.

Os gastos com Uber ou táxi podem ser calculados somando quanto custa, em média, a corrida nos principais trajetos percorridos pelo usuário: de casa para o trabalho, para o restaurante preferido, academia, casa de amigos e familiares, por exemplo.

Em geral, o custo do carro compensa em relação aos gastos com Uber ou táxi para pessoas que trabalham em bairros muito distantes de onde moram. “O quilômetro rodado do Uber ou táxi é maior para eles. Quando maior a quilometragem, maior essa diferença”, explica o educador financeiro Décio Kimura, do site Minhas Economias. Já para quem faz pequenas distâncias, sai mais barato andar de táxi ou Uber todos os dias do que manter um carro, explica Kimura.

Veja o que está dizendo a justiça trabalhista

Motorista de Uber é funcionário?

O que a Justiça brasileira tem decidido Empresa cresce com discurso de que apenas conecta carros e passageiros. Na Justiça, quem presta o serviço pede reconhecimento de vínculo empregatício

Link para matéria: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2017/06/08/Motorista-de-Uber-%C3%A9-funcion%C3%A1rio-O-que-a-Justi%C3%A7a-brasileira-tem-decidido

Economia de R$ 11 mil

A cientista de dados Aline Oracic Moraes, de 26 anos, e o marido Marcos Moraes, de 37 anos, decidiram se desfazer de um dos carros do casal logo que se casaram, há 1 ano e meio. Antes de bater o martelo, eles calcularam qual seria a economia com a venda do carro: R$ 11 mil no ano.

Após o casamento, Marcos e Aline decidiram ficar com apenas um carro, em vez de dois; Aline utiliza o veículo para se locomover até o trabalho (Foto: Arquivo pessoal)Após o casamento, Marcos e Aline decidiram ficar com apenas um carro, em vez de dois; Aline utiliza o veículo para se locomover até o trabalho (Foto: Arquivo pessoal)

Após o casamento, Marcos e Aline decidiram ficar com apenas um carro, em vez de dois; Aline utiliza o veículo para se locomover até o trabalho (Foto: Arquivo pessoal)

“Tínhamos dois carros quando ainda não morávamos juntos e desde que nos casamos optamos por ter um carro só. Primeiramente por causa do gasto. Manter dois carros é bem caro. Segundo porque o Marcos precisa de carro para o trabalho apenas 2 vezes na semana. Aí sim o Uber fica mais barato”, conta Aline.

Ela não abre mão de ter um carro. “O principal motivo é a comodidade que ele proporciona. Além de mais confortável, eu tenho total liberdade de sair do trabalho e ir pra qualquer lugar que eu queira e precise”, conta.

Sem carro

O casal de comerciantes Ana Conti, de 37 anos, e Ricardo Soares dos Santos, de 40, decidiram abandonar definitivamente o carro. Os dois são donos de um café no bairro do Morumbi, na zona sul de São Paulo, e moram na mesma rua do trabalho. O carro deles servia apenas para passear e ir a locais próximos, como supermercados e shopping. Agora, esses trajetos são feitos de Uber ou táxi.

Ana e Ricardo moram e trabalham no mesmo bairro, e decidiram se desfazer do carro para se locomover apenas de táxi e Uber (Foto: Arquivo pessoal)Ana e Ricardo moram e trabalham no mesmo bairro, e decidiram se desfazer do carro para se locomover apenas de táxi e Uber (Foto: Arquivo pessoal)

Ana e Ricardo moram e trabalham no mesmo bairro, e decidiram se desfazer do carro para se locomover apenas de táxi e Uber (Foto: Arquivo pessoal)

“Eu fiz todas as simulações antes de tomar a decisão. Há um ano e meio não temos mais carro e não nos arrependemos”, diz Ana. “Fizemos uma planilha para saber se valeria a pena. Agora, a gente gasta quase 50% a menos.”

Quando precisam viajar, o casal aluga um carro. Os custos da locação de um veículo entram na planilha. Também entrou na conta uma renda extra que eles conseguiram ao se desfazer o do carro. “Alugamos a nossa vaga para outro morador, que tem dois carros”, conta Ana.

Meus gastos são excessivos?

Ainda que não seja possível apontar qual é a proporção ideal de um orçamento familiar que deve ser gasta com transporte, os especialistas ressaltam a importância de identificar o tamanho da fatia da renda que está sendo usada para se locomover.

Para fazer isso, Reinaldo Domingos, do canal Dinheiro à Vista, recomenda que, após identificar o montante gasto com locomoção, a família divida esse número pelo total de sua renda. Assim ela poderá saber quanto do orçamento vai para a área de transporte. “Achou 5%? 15%? A pergunta que fica: é confortável para você essa proporção? Está pagando isso, mas conseguindo fazer com que a vida seja próspera, realizar sonhos? Cada pessoa tem que se fazer essa pergunta”, diz o educador financeiro.

Kimura complementa: “É perigoso analisar os gastos com transporte unicamente. Se mora mais perto do trabalho, pode ser que o imóvel seja mais caro, mas vai economizar no transporte. Se a pessoa mora mais longe, é o contrário. A pessoa tem que pensar no seu orçamento como um todo”.

Foi o que fez Diego Antunes, que tem 29 anos e é coordenador de investimentos em um banco. Cansado de morar longe do trabalho e do costume de ir todos os dias de carro, ele optou por se mudar para um bairro mais próximo. A ideia foi compensar preços mais altos de moradia se livrando do carro.

Diego preferiu encarar um aluguel mais caro para morar perto do trabalho e poder se desfazer do carro (Foto: Arquivo pessoal)Diego preferiu encarar um aluguel mais caro para morar perto do trabalho e poder se desfazer do carro (Foto: Arquivo pessoal)

Diego preferiu encarar um aluguel mais caro para morar perto do trabalho e poder se desfazer do carro (Foto: Arquivo pessoal)

Diego deixou a região de Jaguaré, em São Paulo, para morar perto da Avenida Paulista, bem mais próximo da empresa onde trabalha. Agora, ele alterna o uso de aplicativos de carro e transporte público para se locomover.

“Busquei pagar mais caro de aluguel para morar perto do metrô, mas me livrar do custo de um carro”, resume. “Foi muito fácil quando vi que, na prática, era possível viver sem carro e sai mais barato.”

Ele vai trabalhar de ônibus e aproveita os corredores exclusivos para transporte público nas ruas de São Paulo. “Vou em 20 minutos, pelo corredor. Vejo todo mundo parado dentro dos carros, e eu passando bonitão, mexendo no celular”, brinca. “Se eu saio tarde, vou de Uber, 99 ou qualquer outro aplicativo. Pesquiso vários.”

Além do custo

Mas antes de decidir se desfazer do carro próprio, é preciso considerar outras variáveis além das finanças, ressaltam os especialistas. A necessidade pessoal e o ritmo de vida de cada um devem entrar na balança.

“Tem duas linhas para a pessoa comparar: o lado estritamente financeiro e o outro de comodidade e necessidade”, resume Kimura. “Não dá para analisar só o custo. Precisa analisar também os benefícios, como segurança e comodidade”, disse Domingos.

“O carro sem dúvida alguma dá maior liberdade. Você vai no seu tempo, escuta a música que quer”, diz Domingos.

Por outro lado, o consultor financeiro lembra que há vantagens em trocar o banco do motorista pelo de passageiro. “Em um Uber ou táxi, você pode ir fazendo as atividades que precisa para a reunião a que está indo, por exemplo. Às vezes isso vale muito mais do que a economia que você vai fazer.”

Na hora de escolher entre táxi e Uber, há também diferenças além dos custos. Na cidade de São Paulo, por exemplo, o táxi tem a vantagem de acessar os corredores de ônibus, o que pode encurtar o tempo de viagem quando o trânsito está carregado.

Sobre Carlos Laia

Comandada por Carlos Laia , A Voz Do Taxista tem por objetivo levar a categoria dos taxistas informação, levantar o debate dos assuntos importantes para o desenvolvimento profissional de toda categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *