Home / TÁXI NEWS / Doria quer importar ‘ônibus digital’ e usar Bilhete Único até para pagar táxi

Doria quer importar ‘ônibus digital’ e usar Bilhete Único até para pagar táxi

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">
  1. Doria quer importar ‘ônibus digital’ e usar Bilhete Único até para pagar táxi
Alencar Izidoro/Folhapress
Estação de Seul, onde há integração e transferência de ônibus
Estação de Seul, onde há integração e transferência de ônibus
Câmeras em todos os ônibus da cidade, tempo de espera das linhas exibido em painéis eletrônicos nos pontos de parada e rastreamento da forma como dirige cada motorista do transporte coletivo para vigiar quem excede a velocidade e faz freadas ou curvas bruscas.Para os passageiros, a opção de uso do Bilhete Único em lojas e no pagamento de táxis e aplicativos como Uber.

Esse cenário está sendo traçado pela gestão João Doria (PSDB) na licitação que deve ser lançada no mês que vem para reformular os contratos dos ônibus de São Paulo pelos próximos dez anos.

Ele já é realidade em Seul, metrópole que será visitada a partir desta quarta (12) pelo tucano, que pretende “importar” experiências de sucesso que levaram ao reconhecimento internacional da qualidade do transporte coreano.

A Folha apurou que as mudanças listadas acima já estão consolidadas no plano da gestão Doria, que quer delegar parte dessas exigências às próprias empresas de ônibus. Elas economizarão porque poderão retirar os cobradores dos veículos, mas terão que assumir novas atribuições, como a manutenção de terminais e provavelmente também de corredores de ônibus.

A prefeitura testará inclusive câmeras inteligentes, capazes de dar alerta para comportamentos atípicos dentro dos ônibus –como passageiros pulando a catraca ou entrando pela porta traseira. Um equipamento desses já foi instalado e entrará em funcionamento nas próximas semanas.

Apesar de mirar a moderna tecnologia, a gestão Doria evita se comprometer com obras em corredores de ônibus que representam boa parte do êxito do modelo coreano.

Alencar Izidoro/Folhapress

Estação de Seul, onde há integração e transferência de ônibus

TEMPO REAL

Em Seul, a reportagem visitou nesta terça (11) a central de controle que servirá de inspiração para Doria.

Além da rede de metrô, todos os mais de 8.000 ônibus da capital coreana são acompanhados em tempo real. A localização, a velocidade e a quantidade de passageiros de cada veículo são informadas on-line. O sistema detecta até se algum motorista desobedecer a parada obrigatória no ponto, queixa comum de passageiros paulistanos.

“Se ocorre qualquer interferência no caminho do ônibus, como um acidente, ficamos sabendo imediatamente, e ele pode desviar a rota para não atrasar”, exemplifica YounGye Yang, responsável pelo centro de informações de transporte do governo metropolitano de Seul.

Para os usuários, um dos principais benefícios é a confiabilidade do chamado “esperômetro” –demora de cada linha exibida em painéis eletrônicos nos pontos e atualizada a cada 40 segundos.

Yang diz que a precisão é de 94%, permitindo ao passageiro se programar. Em oito trajetos de ônibus feitos pela Folha, houve 100% de acerto.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Esse tipo de painel eletrônico para informar os tempos de espera de cada linha já chegou a ser implantado há mais de uma década em parte dos corredores de ônibus de São Paulo.

A tecnologia, porém, fracassou: além da quebra de equipamentos, a eficácia foi pequena, atribuída a “buracos” na forma defasada de transmissão de dados dos GPSs instalados na frota.

Os pontos de ônibus high tech em Seul representam 40% do total –e, apesar de tecnológicos, têm aparência simples. Um acordo com a Samsung prevê que a instalação de cada um deles, ao custo de US$ 15 mil, permita à empresa a exploração de parte do espaço com publicidade.

BILHETE ÚNICO

Outro modelo exitoso em Seul é a gestão do T-Money –Bilhete Único local, que se consolidou como forma de pagamento não só de ônibus e metrô, como em lojas e táxis, que têm mais de um terço das corridas pagas com esse cartão.

A ideia de Doria é fazer uma concessão do Bilhete Único paulistano à iniciativa privada, que poderia explorar a base de clientes e transformá-lo num tipo de cartão de crédito. Na capital coreana, isso é feito de forma compartilhada pelos poderes público e privado.

O plano da gestão tucana de expandir a utilização desse cartão para táxis e Uber foi discutido no último ano da gestão Fernando Haddad (PT), mas não saiu do papel.

VIAGEM

A ida de Doria a Seul é a segunda missão internacional do tucano. Em fevereiro, ele fez uma turnê pelo Oriente Médio. Além de buscar experiências exitosas, o prefeito pretende atrair parcerias e investidores para seu plano de privatizações e concessões.

Essa visita ocorre num momento de turbulência política na Coreia do Sul devido ao impeachment e à prisão da presidente, num escândalo com repercussão equivalente a uma “Lava Jato coreana”.

PELA ‘METADE’

Apesar da intenção de copiar a tecnologia para controle dos ônibus, a gestão Doria evita se comprometer com uma ação que ajuda a explicar boa parte do êxito da experiência coreana: a construção em larga escala de corredores exclusivos para transporte coletivo.

Segundo técnicos de mobilidade de Seul, a reformulação feita a partir de 2003 e que deu credibilidade mundial ao sistema de ônibus da cidade foi bastante influenciada pela construção de BRTs, pistas exclusivas modernas e posicionadas do lado esquerdo das vias para atenuar as interferências.

Na época, havia só 13 km desses corredores, que passaram para 132 km.

“O investimento tecnológico é um grande atrativo ao usuário. Mas, sem rede de infraestrutura, não faz milagre”, diz Eleonora Pazos, coordenadora da UITP (União Internacional de Transporte Público) na América Latina.

Na capital paulista, a expansão de corredores de ônibus modernos, como BRTs, está emperrada há mais de uma década. Haddad prometeu 150 km, mas acabou dando sequência a menos de um terço disso e priorizou as faixas de ônibus, tidas como paliativas.

Doria tem dito que fará corredores, já batizou esse sistema de Rapidão, mas sem fixar nenhum compromisso prático. O próprio plano de metas não traz nenhuma extensão das pistas planejadas.

A ideia da gestão tucana é que os corredores atuais passem por mudanças para que tenham um sistema de pré-embarque, de forma que os usuários paguem a passagem ou usem seu Bilhete Único no ponto, e não dentro do veículo -em mais uma opção para retirar aos poucos os cobradores.

Fonte: Folha de São Paulo

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Sobre Carlos Laia

A Voz Do Taxista é um portal de notícias criado por Carlos Laia para levar informações a classe dos taxistas, acompanhando os acontecimentos, dando opinião e ouvindo os principais personagens do incrível mundo do táxi.

DEIXE SUA OPINIÃO!