Motorista de Uber: empregado ou não da empresa?

A de­sem­bar­ga­do­ra re­la­to­ra do ca­so, Be­a­triz de Li­ma Pe­rei­ra, de­ter­mi­nou que a em­pre­sa de­ve re­a­li­zar o re­gis­tro na car­tei­ra de tra­ba­lho do con­du­tor

A ques­tão so­bre o vín­cu­lo ou não dos mo­to­ris­tas de apli­ca­ti­vos com as em­pre­sas de tec­no­lo­gia es­tá ren­den­do uma boa po­lê­mi­ca no Ju­di­ci­á­rio bra­si­lei­ro. Re­cen­te de­ci­são da 15ª Tur­ma do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho da 2ª Re­gi­ão (TRT-SP) de­ci­diu que um mo­to­ris­ta do apli­ca­ti­vo Uber pos­sui vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio com a em­pre­sa res­pon­sá­vel pe­lo res­pec­ti­vo uti­li­tá­rio di­gi­tal.

A de­ci­são – as­sim co­mo di­ver­sas tan­tas ou­tras so­bre o te­ma no ju­di­ci­á­rio bra­si­lei­ro – gi­ra em tor­no de uma dú­vi­da ocor­ri­da no Bra­sil e nos di­ver­sos ou­tros paí­ses em que a Uber e ou­tras em­pre­sas do gê­ne­ro es­tão pre­sen­tes com seus apli­ca­ti­vos de mo­to­ris­ta par­ti­cu­lar. Foi a pri­mei­ra no nos­so pa­ís fa­vo­rá­vel ao la­do do mo­to­ris­ta, re­for­man­do a de­ci­são con­trá­ria ocor­ri­da na pri­mei­ra ins­tân­cia, na 38ª Va­ra do Tra­ba­lho de São Pau­lo.

A de­sem­bar­ga­do­ra re­la­to­ra do ca­so, Be­a­triz de Li­ma Pe­rei­ra, de­ter­mi­nou que a em­pre­sa de­ve re­a­li­zar o re­gis­tro na car­tei­ra de tra­ba­lho do con­du­tor e pa­gar os va­lo­res re­fe­ren­tes a avi­so pré­vio, fé­rias, FGTS, mul­ta res­ci­só­ria, en­tre ou­tros.

Curta nossa página no Facebook!

Be­a­triz de Li­ma en­ten­deu que o apli­ca­ti­vo da Uber não se tra­ta ape­nas de uma fer­ra­men­ta ele­trô­ni­ca, pois a pla­ta­for­ma não es­tá sim­ples­men­te à dis­po­si­ção dos mo­to­ris­tas. Há uma de­ter­mi­na­ção do pre­ço dos ser­vi­ços, do per­cen­tu­al do fa­tu­ra­men­to des­ti­na­do aos mo­to­ris­tas e a ava­li­a­ção dos usu­á­rios so­bre os ser­vi­ços con­di­cio­na a per­ma­nên­cia da par­ce­ria com a em­pre­sa.

A tec­no­lo­gia que po­de­ria ser en­ten­di­da co­mo ape­nas uma fa­ci­li­ta­do­ra de uma par­ce­ria foi co­lo­ca­da na de­ci­são co­mo um ins­tru­men­to pa­tro­nal. A de­sem­bar­ga­do­ra men­ci­o­nou a Lei n. 12.551/2011, que in­tro­du­ziu no­vo tex­to ao ar­ti­go 6º da CLT, o qual pre­vê em seu pa­rá­gra­fo úni­co que “os mei­os te­le­má­ti­cos e in­for­ma­ti­za­dos de co­man­do, con­tro­le e su­per­vi­são se equi­pa­ram, pa­ra fins de su­bor­di­na­ção ju­rí­di­ca, aos mei­os pes­so­ais e di­re­tos de co­man­do, con­tro­le e su­per­vi­são do tra­ba­lho al­heio”.

Con­tu­do, ain­da é pre­ci­so ter cau­te­la em re­la­ção ao im­pac­to da de­ci­são ao mo­do co­mo a re­la­ção en­tre mo­to­ris­tas par­ti­cu­la­res e apli­ca­ti­vos co­mo a Uber é en­xer­ga­da no Bra­sil.

Há ain­da ho­je uma po­si­ção ma­jo­ri­tá­ria da nos­sa ju­ris­pru­dên­cia – in­clu­si­ve pe­ran­te o Tri­bu­nal Su­pe­ri­or do Tra­ba­lho, ins­tân­cia su­pe­ri­or ao TRT-SP – que in­ter­pre­ta a ati­vi­da­de do mo­to­ris­ta par­ti­cu­lar de apli­ca­ti­vo co­mo sen­do a de um au­tô­no­mo que se uti­li­za des­sas pla­ta­for­mas ape­nas pa­ra exer­cer a sua ati­vi­da­de e sem que ha­ja uma su­bor­di­na­ção nes­sa re­la­ção. Es­se en­ten­di­men­to pres­su­põe que, uma vez que os mo­to­ris­tas ge­ral­men­te não são obri­ga­dos pe­las em­pre­sas a cum­pri­rem ho­rá­rios e me­tas de tra­ba­lho, es­tão li­vres pa­ra se man­te­rem dis­po­ní­veis aos pas­sa­gei­ros quan­do bem en­ten­de­rem.

Exi­gên­cias co­mo as ob­ser­va­das pe­la de­sem­bar­ga­do­ra do tri­bu­nal pau­lis­ta têm si­do vis­tas pe­la dou­tri­na e ju­ris­pru­dên­cia ma­jo­ri­tá­rias co­mo obri­ga­ções re­la­ci­o­na­das ao mo­de­lo de ne­gó­ci­os em ques­tão, que não se tra­tam de su­bor­di­na­ção pre­vis­ta na le­gis­la­ção do tra­ba­lho. Es­te en­ten­di­men­to é al­te­ra­do ape­nas no ca­so de em­pre­sas co­mo a Uber im­po­rem ao mo­to­ris­ta jor­na­da de tra­ba­lho de­ter­mi­na­da e re­ti­ra­rem, des­se mo­do, a au­to­no­mia que é vis­ta nes­te mo­de­lo de par­ce­ria.

De qual­quer for­ma, o en­ten­di­men­to da de­sem­bar­ga­do­ra de­mons­tra, sim, que há es­pa­ço no Ju­di­ci­á­rio pa­ra de­ci­sões fa­vo­rá­veis ao tra­ba­lha­dor e con­trá­ri­as ao en­ten­di­men­to ma­jo­ri­tá­rio. É uma pri­mei­ra de­ci­são que po­de nor­te­ar que ca­sos aná­lo­gos se­jam jul­ga­dos no sen­ti­do de se re­co­nhe­cer o vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio em uma ques­tão é te­ma de dis­cus­são não ape­nas no Bra­sil, co­mo em to­do o mun­do. 

(Gus­ta­vo Hoffman é es­pe­cia­lis­ta em Di­rei­to do Tra­ba­lho do es­cri­tó­rio Aith, Ba­da­ri e Lu­chin Ad­vo­ga­dos)

Fonte: DM Notícias

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios