Home / A Voz do Taxista / Uber aceita regulamentação de São Paulo por não ter limite de carros

Uber aceita regulamentação de São Paulo por não ter limite de carros

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

Em  evento “O Futuro das Cidades”, promovido pela Uber em São Paulo, o porta-voz da empresa no país, Fabio Sabba, citou como positivo a regulamentação de São Paulo, capital, por não limitar o número de carros. No futuro a Uber pode até mudar de ideia, o que interessa agora é dominar o serviço de transporte remunerado de passageiros.

Segundo o porta-voz da Uber, a limitação é “uma lógica de táxis”, em que se restringe a oferta para os passageiros”, a verdade dentro dessa afirmação é que a uber não pensa em uma maior oferta de carros para os passageiros, o que ela prática é o dumpimg pra quebrar o mercado e monopoliza-lo.

#avozdotaxista

Uber é contra limitar placas, mas aceita taxa

Fonte: Parana capital

Lançada em março do ano passado em Curitiba, a Uber ainda opera sem regulamentação na cidade. Apesar de considerar sua atividade legalizada em todo o Brasil, por uma lei federal de 2012, a empresa aceita regulações municipais e destaca que diversos municípios já criaram regras positivas para possibilitar o uso do aplicativo.

No evento “O Futuro das Cidades”, que vem sendo promovido pela Uber em São Paulo, o porta-voz da empresa no país, Fabio Sabba, citou como exemplos positivos de legislação São José dos Campos- -SP e São Paulo, capital.

A Uber considera que, se os municípios quiserem aplicar taxas relativas ao uso da infraestrutura urbana, a melhor forma é cobrar sobre o valor das corridas. “Em São Paulo fica em torno do R$0,10 por quilômetro”, cita Sabba.

Em Vitória, em outra legislação considerada boa, a cobrança é de 1% sobre valor total das viagens realizadas.

Já o principal obstáculo das legislações são as tentativas de limitação do número placas para aplicativos – ideia que também já foi discutida em Curitiba. “Isso entra dentro de uma lógica de táxis, em que se restringe a oferta para os passageiros”, cita.

="adsbygoogle" style="display:block" data-ad-client="ca-pub-2309922433896559" data-ad-slot="9960967624" data-ad-format="auto">

A empresa não divulga o número de motoristas parceiros em cada cidade – apenas que eram 50 mil no país em setembro do ano passado.

A Uber também diz que ainda não limita, por si, o cadastro de novos motoristas – o que serviria para controlar a oferta e manter o lucro dos motoristas em atividade.

A empresa aposta no aumento da base de clientes em um cenário futuro em que os jovens, com oferta de transporte barato e eficiente, queiram cada vez menos comprar carros. “A concorrência não é sobre táxis, é contra o carro próprio. Estamos trazendo mais gente que não usava transporte individual”, diz.

Curitiba

No ano passado um grupo de vereadores propôs uma lei baseada nas regras de São Paulo para Curitiba. O projeto não foi para frente e a regulação está parada sob a nova gestão da prefeitura.

‘Ubercóptero’ será testado em 2020

Daqui a somente três anos a Uber, em parceria com a Embraer, promete iniciar os testes de um helicóptero elétrico, que já vem sendo desenvolvido em São José dos Campos-SP, sede da empresa de avia- ção. O veículo, parecido com um drone, seria para quatro passageiros.

Segundo uma proje ção da Uber, o custo da viagem entre São Paulo e Campinas seria de US$ 153, três vezes o preço atual de uma viagem em UberBlack, topo de linha da empresa. A longo prazo, no entanto, com o sistema operando em escala, a viagem por ar poderia custar até U$ 24.

“Parece uma coisa muito distante, mas não é. É provável que chegue antes dos carros autônomos”, diz Fabio Sabba. Testes também estão previstos para acontecer em Dubai.

Sobre Carlos Laia

A Voz Do Taxista é um portal de notícias criado por Carlos Laia para levar informações a classe dos taxistas, acompanhando os acontecimentos, dando opinião e ouvindo os principais personagens do incrível mundo do táxi.

DEIXE SUA OPINIÃO!