Os dois pilares da Uber e 99: Propaganda e mentira.

As duas caracteristicas fundamentais da Uber e 99

A primeira caracteristica que marca a Uber é a propaganda enganosa paga a preço de ouro seguindo o princípio de que, bem ou mal, falem de mim.

A outra caracteristica e o desafio as autoridades nos países e cidades onde chegam. No Brasil encontraram um campo fértil dada a nossa tradição política movida pelos interesses pessoais e de grupos que atropela os interesses da sociedade.

A falta do debate técnico no caso da regulamentação dos aplicativos, jogando por terra a legislação vigente, se explica pela omissão vista recentemente na Câmara dos Deputados que fez um debate político de uma questão técnica e legal.

Sempre coerente com sua postura até aqui, a Uber ataca pesquisa do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). O motivo, claro, foi a comprovação pelo MIT que a Uber e outros aplicativos não geram renda para os motoristas.

No Brasil a legião de desempregados favoreceu o discurso da geração de empregos e esse discurso angariou apoio de políticos e demais grupos que não querem o enquadramento da Uber na lei do transporte, uma vez que é o que ela fomenta.

#webradioterabyte #avozdotaxista

Uber chama MIT de ‘incompetente’

Segundo estudo, motorista ganha em média US$ 3 por hora. MIT disse que vai revisar pesquisa, mas chamou atenção da empresa para ser mais transparente sobre seus dados

Uber e o respeitado Instituto de Tecnologia de Massachussets, o MIT, entraram em uma discussão um tanto constrangedora na última semana, depois de um estudo conduzido por um pesquisador do instituto resumir que motoristas da Uber e da Lyft ganhavam US$ 3,37 por hora, sem contar os impostos, e que 30% dos motoristas estavam, na verdade, perdendo dinheiro ao invés de ganhar alguma coisa.

Como era de se esperar, o CEO da Uber, Dara Khosrowshahi, não recebeu bem a possível denúncia e reagiu rapidamente com sarcasmo ao sugerir que MIT significava Mathematically Incompetent Theories, o que no português mais direto ficaria como teorias matemáticas incompetentes.

Outro representante da companhia, Jonathan Hall, que responde pelo cargo de Chief Economist, destacou alguns problemas da metodologia usada pelo estudo em uma publicação do blog da Uber. Segundo ele, outros estudos conduzidos, porém com a participação da Uber, mostraram que motoristas ganham, em média, US$ 19 a US$ 21 por hora de trabalho.

Hall ressalta que o problema residiu no fato de que os pesquisadores perguntaram aos motoristas quanto eles conseguem ganhar em média a cada semana a partir das corridas, mas depois perguntaram “quanto da sua renda mensal total vem de serviços como o Uber”, porém não comparou o quanto de tal renda vem das corridas sob demanda.

Isso porque, muitas pessoas fazem do Uber e do Lyft um emprego temporário e paralelo a outros regulares, que contribuem na renda mensal total. De acordo com Hall, ao não levar isso em consideração, os resultados da pesquisa ficaram incorretos.

Revisão do estudo

O pesquisador que liderou o estudo, Stephen Zoepf, diretor executivo do Center for Automotive Research, de Stanford, voltou atrás e admitiu que o argumento da Uber é válido e aproveitou para pedir que as duas companhias disponibilizem mais dados para uma segunda análise.

Por meio de comunicado, Zoepf disse que atualizará o artigo, mas enquanto isso ele recalculou os números usando a metodologia de Hall, e chegou a conclusão de que o lucro médio de um motorista era de US$ 8,55 por hora e que apenas 8% dos motoristas perdem dinheiro ao trabalhar na plataforma. Usando outra metodologia, disse o pesquisador, a média sobe para US$ 10 e apenas 4% dos motoristas perdem dinheiro.

Zoepf ressaltou que a transparência e a reprodutibilidade são a base de qualquer empreendimento acadêmico. “A avaliação de Hall e Khosrowshahi se baseiam em uma suposição sobre a receita que eu fiz na ausência de dados públicos e uma escassez de estudos independentes fora da própria análise da Uber”, escreveu.

O pesquisador chamou atenção da Uber, dizendo que para a ajudar a fazer uma avaliação aberta, honesta e pública sobre a variedade do lucro de um motorista é preciso também apresentar, de forma transparente, custos de aquisição, operação e manutenção de um veículo.

Entretanto, as reclamações de que o Uber não paga bem seus motoristas não são de hoje. Vale lembrar que a companhia já perdeu uma série de processos judiciais sobre o assunto nos Estados Unidos.

A Uber, entretanto, defende que seu modelo de negócio oferece flexibilidade de trabalho e que motoristas ganham, em média, mais do que o salário mínimo.

Carlos Laia

Taxista desde 2001, criador do site A Voz Do Taxista e da web Rádio Tera Byte. Nosso objetivo é levar notícias e informações sobre o táxi de todo Brasil a toda categoria, ouvindo representantes, autoridades e principalmente o taxista. Não temos vinculo com nenhuma entidade ou partido político.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios